quarta-feira

Civilizações Alienígenas

Podemos ser apenas uma entre milhões de civilizações avançadas. Infelizmente, como o espaço é tão "espaçoso", a distância média entre quaisquer duas civilizações deve ser pelo menos de 200 anos-luz. Isto significa que, se estes seres sabem que aqui estamos e nos conseguem ver com os seus telescópios, estão na realidade a observar a luz que já deixou a terra há 200 anos! Ou seja, não estão a ver-nos, mas sim a Revolução Francesa, Thomas Jefferson, Bocage, pessoas com meias de seda e cabeleiras postiças!
As mensagens que possamos receber deles começarão provavelmente por "Muy Digno Senhor", e felicitar-nos-ão pela beleza dos nossos cavalos, ou pela forma eficaz como utilizamos o óleo de baleia. 200 anos-luz é uma distância que nos ultrapassa tanto, que pura e simplesmente se torna... inultrapassável!_
F1

5 comentários:

Nuno Raposo disse...

Li num lado qualquer que o planeta mais próximo que a Nasa suspeita que possa albergar vida esteja a uns 50 anos luz.

Mas enfim, 50 ou 200 anos luz... continua a ser longe pa crl.... :D

Anónimo disse...

Uma coisa é existir vida num planeta, outra é existir uma civilização...

Vasco Gaspar disse...

Exacto...

Marco Vieira disse...

...A não ser que haja no Universo "corta-matos". É possível haver formas de chegar a outros pontos do Universo através desses "corta-matos" que podem reduzir significativamente o tempo.

Podem também exister outras formas que não a Luz para se viajar.

Exemplo: Se juntarem todas (sem espaço entre elas) 40 milhões de bolas e empurrarem a primeira bola da fila, a última bola (a numero 40 milhões) mexe-se ao mesmo tempo. Se essa bola estiver à distância do Sol, então temos algo mais rápido que a Luz (a Luz do Sol demora 8,3 minutos a chegar à terra). Certo!

Bem, imaginem agora que em vez de bolas, estamos todos interligados como se fossemos moléculas só que ainda não nos apercebemos disso porque não o conseguimos ver, entender e muito menos compreender.

"Nada há nada mais rápido que viajar à velocidade dos Sonhos!".

Gostei muito do teu artigo Vasco. Parabéns!

Vasco Gaspar disse...

Olá Marco,

Já conhecia a teoria dos "worm holes" mas essa das bolas "encostadas" nunca tinha ouvido nem pensado sobre. Interessante!

Concordo a 100% com a velocidade dos sonhos! :))

Abraços!